❮  Voltar para listagem

AS EMPRESAS RANDON

Com mais de 70 anos de história, as Empresas Randon alcançaram presença global e liderança nos setores de reboques e semirreboques, autopeças e serviços.

A organização tem sede na cidade de Caxias do Sul (RS) e está presente em mais de 100 países. As Empresas Randon contam com o maior centro tecnológico do setor automotivo da América Latina, o CTR, e possuem uma unidade de aceleração da transformação industrial e desenvolvimento de automação, a RTS Industry.

Ainda atuam no ecossistema de inovação com o Instituto Hercílio Randon, com a Conexo e com a Randon Ventures, além de trabalhar na transformação social com iniciativas realizadas pelo Instituto Elisabetha Randon. A empresa faz parte do Nível 1 de Governança Corporativa da B3, figurando entre as maiores empresas privadas brasileiras.

ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO DA INDÚSTRIA 4.0

A Estratégia de implementação e avanço das Empresas Randon para o uso de tecnologias habilitadoras do movimento de Indústria 4.0 está dividida em quatro fases: visibilidade, transparência, predição e adaptação de seus processos industriais.

O planejamento considera os dados como protagonistas desse movimento, observando o barateamento, a miniaturização e o aumento da capacidade de processamento, levando à disseminação de equipamentos, dispositivos e processos capazes de produzir, armazenar e processar volumes maiores de dados.

Essa visão analítica busca transformar os dados – fatos coletados e armazenados – em informação e conhecimento, em que o dado é analisado, entendido e aplicado para um fim.

O trabalho visa reduzir a distância entre o ambiente físico e o meio digital da manufatura. O primeiro estágio considerado é a visibilidade dos equipamentos e processos de fabricação. Esse movimento efetiva a observação de forma online e automática do que está acontecendo no chão de fábrica, coletando dados e informações via tecnologias de internet das coisas (IoT) e integração de sistemas. A segunda etapa, chamada de transparência, relaciona os dados coletados e aplica estatística e inteligência para entender por que as coisas acontecem, gerando informação. Nessa fase utilizam-se ferramentas como big data e computação em nuvem, permitindo o processamento do elevado volume de dados. A predição é a fase 3 e considera o uso do conhecimento extraído da etapa anterior para prever comportamentos, antecipando situações e facilitando a tomada de decisão. A tecnologia de simulação, por exemplo, é aplicada nesta etapa. A evolução desse processo é a adaptação, quando equipamentos autoguiados tomam decisões e se adaptam à realidade da fábrica por meio do consumo de dados e automação analítica. Robôs autônomos são um exemplo desse conceito.

Além da tecnologia, outro ponto fundamental desse cenário é a transformação da cultura. A maturidade analítica da organização é considerada como fundamental para realização e construção da Indústria 4.0. Processos data-driven são essenciais para implementar uma fábrica inteligente, evoluindo do uso de relatórios simples até a inteligência artificial.

Para efetivação dessa visão, uma área de smart manufacturing foi criada abaixo da Direção Corporativa de Excelência Operacional. A equipe atua diretamente na implementação das quatro fases nas unidades fabris: visibilidade, transparência, predição e adaptação dos processos de manufatura.

Somando-se a esse movimento, foi criada uma nova unidade de transformação industrial: a Randon Tech Solutions – RTS Industry que atua diretamente na inovação de processos fabris e no suporte e desenvolvimento de automação industrial.

A utilização de novas tecnologias também é facilitada pela conexão entre a indústria e startups, incentivando a aplicação de provas de conceito (POCs), testando, validando e entendendo o seu benefício para o negócio das Empresas Randon.

A conexão entre as Empresas Randon e diversos players como empreendedores, outras grandes empresas, startups, universidades, instituições deste ecossistema e a comunidade é facilitada pela Conexo, hub de conexão lançado pela companhia.

Essas relações entre indústria 4.0 e startups são apoiada também pela Randon Ventures, unidade de Corporate Venture Capital da companhia, que incluiu startups que trabalham com soluções da indústria 4.0 em sua tese, e está aberta não apenas a contratar, mas também a investir em startups do setor.

Com isso as Empresas Randon buscam a automação e modernização das fábricas, direcionando o uso de tecnologias para reduzir custos, aumentar produtividade e incrementar receita, garantido a segurança e qualidade de sua operação.

PRÓXIMOS CASES DA RANDON

Digital Twin de linha de montagem;

Modernização do processo de corte térmico;

Centralização de dados do processo de pintura;

Uso de devices IoT em equipamentos industriais;

Simulação de manufatura;

Visibilidade de processos em nova planta industrial.

Conteúdos Relacionados

FLORENSE móveis e UFRGS desenvolvem projeto para traçar o caminho da empresa para a Indústria 4.0

A Florense, fabricante de móveis de alto padrão de móveis, com sede em Flores da Cunha-RS, iniciou em maio deste ano uma parceria com o Núcleo de Engenharia Organizacional da UFRGS para o desenvolvimento da Jornada 4.0 da empresa. Acessar matéria    ➔